Jeep deve instalar sua Fábrica de veículos militares em Camaçari

Entre para nosso grupo no telegram: t.me/seligacamacari

Uma linha de montagem para produzir veículos militares será instalada na Bahia, ainda neste ano. Com investimentos de US$ 50 milhões (cerca de R$ 200 milhões), o projeto é uma parceria da VSK Tatical com a Jeep e será oficialmente lançado nesta terça-feira (2), na LAAD 2019.

O projeto visa atender à demanda das Forças Armadas e polícias brasileiras por veículos do gênero. Também podem ser beneficiados órgãos de fiscalização, como o Ibama e guardas civis. “Esse nicho de mercado é atendido apenas com importações”, diz o advogado Marcellus Ferreira Pinto, presidente executivo da VSK Tatical no Brasil.

Há duas opções em análise para a instalação da nova montadora — uma no Polo Industrial de Camaçari e a segunda em Feira de Santana. A meta é iniciar a produção num período entre seis e dez meses, o que resultará na criação de 50 empregos diretos e 200 indiretos.

ATENÇÃO: Nunca pague nenhum valor para participar de um processo seletivo. Não compre cursos, apostilas ou serviços que prometam participação em seleção ou contratação para uma vaga. E jamais informe dados bancários, de cartão ou envie documentos por e-mail ou através de sites que não conheça. Nosso site não se responsabiliza por qualquer tipo de pagamento efetuado.

Inicialmente, serão montados 60 veículos do modelo J8, todos sobre módulos do Renegade importados. O padrão usado será o da divisão militar da Jeep, que faz parte de um núcleo do Departamento de Estado norte-americano.

Ferreira Pinto explica que os veículos terão condições de participar de operações na Amazônia. Segundo o presidente, já há Estados interessados nos carros, que não serão vendidos a pessoas físicas.

Novos empregos
A implantação da empresa irá gerar 50 empregos diretos e 200 indiretos. O presidente classificou o projeto como “enxuto” e com investimento “pequeno. “Ele dá mais visibilidade para o governo e mercado do que propriamente retorno financeiro”, disse.

A empresa ainda demonstrou interesse em criar um polo técnico-militar no local, futuramente. Já existem contratos com uma fábrica de armas, uma de nanotecnologia militar e uma segunda montadora, voltada a veículos blindados pesados. Duas outras empresas estão interessadas no projeto: uma fabricante de munições e outra produtora de armas.